7 Coisas que você pode aprender com Edward Hopper

O que podemos aprender com os grandes nomes da história da arte para aprimorar nossa fotografia?


Como fotógrafos, sabemos que o exercício de desenvolvimento do olhar é algo essencial para a evolução de nosso trabalho. Buscar referências ao longo da história da arte é uma dica que sempre damos para os nossos alunos: ajudam na parte de composição, enquadramento, cor, técnica e narrativa.


Nessa live, a professora do Instituto Foto em Curso Katarzyna Chiluta mostra as obras do pintor Edward Hopper e 7 coisas que você pode aprender e aplicar na sua fotografia com ele:


7 Coisas para se aprender com Edward Hopper:

1 – Silêncio pode ser visual

Como podemos pensar imageticamente e transcrever isso em uma fotografia?

Como podemos usar o meio visual para passar sensações?

E como podemos fugir do óbvio, do literal?


Pode-se entender o silêncio ao trabalhar uma composição que não expressa movimento, estática, que se encontra em inércia. Além de usar elementos formais (ou a ausência deles), como a cor, para transmitir o silêncio e fixação do olhar:


Quartos à beira-mar – Pintura de Edward Hopper (1951)

From Williamsburg Bridge– Pintura de Edward Hopper (1928)

Nighthawks – Pintura de Edward Hopper (1942)

Exemplos na Fotografia:

The Place We Live – Robert Adams (1975)

Denver, Colorado – Robert Adams (1970)

Written in the West – Wim Wenders (1987)

2 – Solidão e Estados Emocionais Complexos


Hotel Window – Pintura de Edward Hopper (1955)

Excursion Into Philosophy – Pintura de Edward Hopper (1959)

Eleven AM – Pintura de Edward Hopper (1926)

Meditações de Hopper – Richard Tuschman (2012) – Série Fotográfica Inspirada em Edward Hopper

Summer in the City – Pintura de Edward Hopper (1950)

Meditações de Hopper – Richard Tuschman (2012) – Série Fotográfica Inspirada em Edward Hopper

3 – A História está nos detalhes

Hopper, seus esboços e a lição dada ao construir uma cena: nada está lá por acaso, tudo parte de um estudo de formas e olhar.


Esboço de Edward Hopper (1940)

Esboço de Edward Hopper (1940)

Gas Station – Pintura de Edward Hopper (1940)

Esboço de Edward Hopper (1939)

New York Movie – Pintura de Edward Hopper (1939)

Exemplos na Fotografia:

Sem Título – Gregory Crewdson (1998)

4 – Ver mais do que o permitido


Indagar narrativas para estimular a imaginação de quem vê a fotografia.


Night Windows – Pintura de Edward Hopper (1928)

Cape Cod Morning – Pintura de Edward Hopper (1950)

Exemplos na Fotografia:

Through the Window – Giorgio Barrera (2002)

Through the Window – Giorgio Barrera (2002)

5 – Cotidiano é um ótimo tema


Devemos aprender que, em todo lugar existe temas interessantes para serem fotografados: às vezes, por estarmos acostumados com certas coisas em nossa rotina, perdemos o interesse e a curiosidade de observar, mas treinar o olhar é exatamente esse exercício de contemplação, por vezes descobrimos coisas que antes passaram despercebidas.


The Road Less Taken – Fotografia de Arnaud Montagard (2020)

Sem Título – Fotografia de Ferdinando Scianna (1991)

6 – Aproveite a luz artificial


Não existe um tipo de luz na qual não se pode fotografar, mas cada tipo de iluminação passará uma ideia e valor diferente.


Made in Belgium – Fotografia de Harry Gruyaert (1981)

Untitled – Fotografia de Hannah Starkey (1999)

Fotografia de Katarzyna Chiluta

7 – Estilo não se força. Sua trajetória sempre aparecerá


Corner Shadows – Ilustração de Martin Lewis (1930)

At the Theater – Ilustração de Edward Hopper (1922)

#Fotografia #HistóriadaArte #Hopper #Referências #Composição

Follow Us
  • Instagram Social Icon
  • Facebook Basic Square

telefone

 61 98322-4643

© 2018 by Instituto Foto em Curso.