7 Coisas que você pode aprender com Edward Hopper

October 28, 2020

O que podemos aprender com os grandes nomes da história da arte para aprimorar nossa fotografia?

 

Como fotógrafos, sabemos que o exercício de desenvolvimento do olhar é algo essencial para a evolução de nosso trabalho. Buscar referências ao longo da história da arte é uma dica que sempre damos para os nossos alunos: ajudam na parte de composição, enquadramento, cor, técnica e narrativa.

 

Nessa live, a professora do Instituto Foto em Curso Katarzyna Chiluta mostra as obras do pintor Edward Hopper e 7 coisas que você pode aprender e aplicar na sua fotografia com ele:

 

 

 

7 Coisas para se aprender com Edward Hopper:

 

1 – Silêncio pode ser visual

 

Como podemos pensar imageticamente e transcrever isso em uma fotografia?

Como podemos usar o meio visual para passar sensações?

E como podemos fugir do óbvio, do literal?

 

Pode-se entender o silêncio ao trabalhar uma composição que não expressa movimento, estática, que se encontra em inércia. Além de usar elementos formais (ou a ausência deles), como a cor, para transmitir o silêncio e fixação do olhar:

 

Quartos à beira-mar – Pintura de Edward Hopper (1951)

 

From Williamsburg Bridge– Pintura de Edward Hopper (1928)

 

Nighthawks – Pintura de Edward Hopper (1942)

 

Exemplos na Fotografia:

 

The Place We Live – Robert Adams (1975)

 

Denver, Colorado – Robert Adams (1970)

 

Written in the West – Wim Wenders (1987)

 

 

2 – Solidão e Estados Emocionais Complexos

 

Hotel Window – Pintura de Edward Hopper (1955)

 

Excursion Into Philosophy – Pintura de Edward Hopper (1959)

 

Eleven AM – Pintura de Edward Hopper (1926)

 

Meditações de Hopper – Richard Tuschman (2012) – Série Fotográfica Inspirada em Edward Hopper

 

Summer in the City – Pintura de Edward Hopper (1950)

 

Meditações de Hopper – Richard Tuschman (2012) – Série Fotográfica Inspirada em Edward Hopper

 

 

3 – A História está nos detalhes

 

 Hopper, seus esboços e a lição dada ao construir uma cena: nada está lá por acaso, tudo parte de um estudo de formas e olhar.

 

Esboço de Edward Hopper (1940)

 

Esboço de Edward Hopper (1940)

 

Gas Station – Pintura de Edward Hopper (1940)

 

Esboço de Edward Hopper (1939)

 

New York Movie – Pintura de Edward Hopper (1939)

 

Exemplos na Fotografia:

Sem Título – Gregory Crewdson (1998)

 

4 – Ver mais do que o permitido

 

Indagar narrativas para estimular a imaginação de quem vê a fotografia.

 

Night Windows – Pintura de Edward Hopper (1928)

 

Cape Cod Morning – Pintura de Edward Hopper (1950)

 

Exemplos na Fotografia:

Through the Window – Giorgio Barrera (2002)

 

Through the Window – Giorgio Barrera (2002)

 

 

5 – Cotidiano é um ótimo tema

 

Devemos aprender que, em todo lugar existe temas interessantes para serem fotografados: às vezes, por estarmos acostumados com certas coisas em nossa rotina, perdemos o interesse e a curiosidade de observar, mas treinar o olhar é exatamente esse exercício de contemplação, por vezes descobrimos coisas que antes passaram despercebidas.

 

The Road Less Taken – Fotografia de Arnaud Montagard (2020)

 

Sem Título – Fotografia de Ferdinando Scianna (1991)

 

 

6 – Aproveite a luz artificial

 

 Não existe um tipo de luz na qual não se pode fotografar, mas cada tipo de iluminação passará uma ideia e valor diferente.

 

Made in Belgium – Fotografia de Harry Gruyaert (1981)

 

Untitled – Fotografia de Hannah Starkey (1999)

 

Fotografia de Katarzyna Chiluta

 

 

7 – Estilo não se força. Sua trajetória sempre aparecerá

 

Corner Shadows – Ilustração de Martin Lewis (1930)

 

At the Theater – Ilustração de Edward Hopper (1922) 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload

October 29, 2020

February 28, 2020

February 26, 2020

February 14, 2020

Please reload

Follow Us
  • Instagram Social Icon
  • Facebook Basic Square

telefone

 61 98322-4643

© 2018 by Instituto Foto em Curso.